Os eventos publicados estão sujeitos a adiamento ou cancelamento devido ao surto de Coronavírus. Recomendamos que confirmem junto dos promotores se estes vão ocorrer.
19:30 até às 22:30
Mark Ernestus' Ndagga Rhythm Force > Coruchéus

Mark Ernestus' Ndagga Rhythm Force > Coruchéus

Grátis
Esta aventura começou quando Mark Ernestus (co-fundador da Hard Wax, Dubplates & Mastering, Basic Channel, Chain Reaction, Rhythm & Sound, revolucionário nos últimos 25 anos da relação da música electrónica com o minimalismo, inspirado-se na estrutura esquelética do Dub e o seu sentido de espacialidade como um parâmetro musical fundamental) viajou para o Senegal em busca dos ritmos do sabar e mbalax. Com guias e assistência local conseguiu convidar mais de 20 percussionistas e outros músicos para uma sessão de gravação espontânea em Dakar, com percussionistas sabar do clã local Jeri-Jeri a tocar os ritmos básicos. Esta iniciativa de trabalho adensou-se com Mark a regressar e a encetar novas sessões de estúdio. De regresso a Berlim fez os arranjos e misturas e lançou a música em 2012 na edição gémea "800% Ndagga" e "Ndagga Versions” creditando-as como "Mark Ernestus presents Jeri-Jeri” - simplesmente usando o nome do clã dos percussionistas de sabar. Mas isto foi apenas o princípio: desde então o projecto evoluiu para algo novo por direito próprio. Do conjunto inicial de artistas envolvidos, Mark recrutou um grupo mais pequeno e nuclear com quem intensificou a colaboração, fez uma digressão na Europa e gravou novos temas. A formação tornou-se uma entidade ao vivo demolidora tocando em festivais e clubes de referência no velho continente, sendo constituído pela cantora/MC Mbene Diatta Seck, o mestre do talking drum Modou Mbaye e o dançarino Fatou Wore Mboup, para além de dois veteranos lendários como o percussionista sabar Bada Seck e o guitarrista Assane "Ndoye" Cisse - ambos tocaram com a estrela Baaba Maal por mais de 30 anos - e alguns mais promissores novatos da comunidade musical de Dakar. Há dois anos lançaram “Yermande”, e a repetição rigorosa ao encontro de complexidade rítmica, num funky pandémico de um mbalax próximo nível, atingiu um estado divinal, e chegou finalmente a hora e o lugar da primeira vez ao vivo deste sonho em Lisboa.

Uma co-produção Filho Único, EGEAC Cultura em Lisboa, Galerias Municipais de Lisboa e MUSEU NACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA - MUSEU DO CHIADO

Entrada LIVRE
Recomendamos que confirme toda a informação junto do promotor oficial deste evento. Por favor contacte-nos se detectar que existe alguma informação incorrecta.
Download App iOS
Viral Agenda App
Download App Android