Os eventos publicados estão sujeitos a adiamento ou cancelamento devido ao surto de Coronavírus. Recomendamos que confirmem junto dos promotores se estes vão ocorrer.
Este evento foi cancelado
21:30 até às 23:00
RAIA. Planeta Campaniça

RAIA. Planeta Campaniça

  • Destaque
  • Evento terminado
SOAM AS GUITARRAS 2020

RAIA. Planeta Campaniça

António Bexiga e convidados para o Soam As Guitarras 2020:
Daniel Catarino e Xinês (voz, guitarra, bateria; Cristina Viana (desenho digital). 

Raia é linha-fronteira, linha-caminho, expressão idiomática e forma verbal. Raia é peixe. O peixe-viola é uma raia.

Raia é o projeto-síntese de António Bexiga que percorre as sonoridades da viola campaniça*, nas suas fronteiras acústica e elétrica, analógica e digital, tradicional e experimental, ensaiada e instantânea, em diálogo direto ou diferido com outras formas de arte, visuais ou de performance.

Raia é um projeto idiomático, de significado, expressão, erro e coração Raia é um projeto-verbo. Do verbo raiar

Raia é um projeto-peixe, de 10 cordas que navega o fundo do mar e as margens do rio
Raia é um papagaio de papel.

Nasceu em Évora em 1976 mas passou uma boa parte da infância e adolescência na raia alentejana. Foi nesse contexto [raiano] que aprendeu a olhar para o mapa enquanto território imaginado e a fronteira como linha, sobretudo, imaginária.
Estudou piano e guitarra clássica, mais tarde guitarra jazz. Passou por vários projectos, desde o rock à música experimental, fusão e música improvisada. Descobriu depois a música de raiz e o prazer de a virar do avesso. Há vários anos que se dedica à exploração e reinvenção de repertórios tradicionais, a par de composições próprias, num instrumento em particular: a viola campaniça, que tem colocado em diferentes contextos musicais, da música popular ao rock ou à música experimental e paisagem sonora. A sua viola campaniça tocou e gravou um pouco por toda a Europa e em vários lugares da América, África e Ásia. Tem vários trabalhos em vídeo/cinema, teatro, dança contemporânea, performance, teatro de marionetas, circo e cabaret. Faz oficinas regulares de viola campaniça, exploração sonora e criatividade musical. Foi membro ativo de projectos como Uxu Kalhus e No Mazurka Band; fundador de Há lobos sem ser na serra, Bicho do Mato, entre outros. Recentemente, gravou com Kepa Junkera para a Ath Thurda, Omiri (Alentejo Vol. 1), Celina da Piedade, António Caixeiro, Daniel Catarino e Cantadores de Paris.
   
O planeta Campaniça tem a forma de um oito deitado, e um pescoço comprido.
Uma viagem sonora pelas latitudes da viola campaniça, entre a tradição e a experimentação, com demora obrigatória nas linhas de fronteira da música, do instrumento e da pele.

*A viola campaniça é uma das violas de arame portuguesas. Campaniça quer dizer ‘do campo’, das áreas rurais mas também da região campaniça (sul de Portugal, Alentejo).
Normalmente tem 5 cordas duplas (pode ter 12 cordas, sendo que 2 são triplas) e é tradicionalmente usada para acompanhar o cante típico da região Alentejo e ainda para tocar temas para baile.
Este instrumento quase desapareceu nos anos 80 do Séc. XX, os [poucos] tocadores que existiam nessa altura eram idosos. Foi já no início dos anos 1990 que se deu uma grande ação de divulgação no Baixo Alentejo que permitiu formar novos tocadores ao longo dos anos. Hoje, felizmente, já há muitos músicos que tocam a viola como primeiro e único instrumento.

Soam As Guitarras é um projeto: 
Câmara Municipal de Oeiras| Ghude 
Coprodução: Câmara Municipal de Évora | Câmara Municipal da Póvoa de Varzim| Câmara Municipal de Setúbal
Parcerias: CISION| Hope Consulting 
Media partner: Antena 1 | Blitz | SIC Notícias
Recomendamos que confirme toda a informação junto do promotor oficial deste evento. Por favor contacte-nos se detectar que existe alguma informação incorrecta.
Download App iOS
Viral Agenda App
Download App Android