Fechar Os eventos publicados estão sujeitos a adiamento ou cancelamento devido ao surto de Coronavírus. Recomendamos que confirmem junto dos promotores se estes vão ocorrer.
10:30 até às 17:20
Margem

Margem

direção: Victor Hugo Pontes
texto: Joana Craveiro

Brecht falava de margens e dizia-as tão “violentas” como a violência do “rio que tudo arrasta”, porque o comprimem. Margem, com direção de Victor Hugo Pontes, fala de uma violência similar, a de jovens em risco na periferia da vida, como a dos Capitães da Areia (1937), de Jorge Amado, livro que lhe serviu de inspiração e “guia para o caminho”, desconstruído e reconstruído aqui pela escrita de Joana Craveiro. Ao diálogo entre a linguagem coreográfica de Victor Hugo Pontes e o livro sobrepôs-se uma segunda camada, a das histórias de vida, recolhidas em pesquisa prévia, de crianças institucionalizadas da Casa Pia e do Instituto Profissional do Terço, e ainda uma terceira, feita das memórias e experiências dos próprios intérpretes e do seu processo de construção do espetáculo – todas estas camadas se entrecruzam no texto original desta criação. Um elenco de miúdos dos 14 aos 20 anos (mais um bailarino e um ator profissional) habita o palco-casa-abrigo, colchões espalhados pelo chão, o oásis (sonhado?) de uma palmeira, como um espaço vital de (sobre)vivência de si em grupo, em família, até. Margem, a meio caminho entre a dança e o teatro documental, movido por uma banda sonora urgente e tribal, é assumidamente um trabalho “muito político”. Racismo, sexo, revolução e morte afloram igualmente, mas há uma energia vibrante a percorrer Margem, e essa energia persiste e resiste.

cenografia: F. Ribeiro
música: Marco Castro e Igor Domingues (Throes + The Shine)
direção técnica e desenho de luz: Wilma Moutinho
operação de luz: Pedro Correia
operação de som: Rodolfo Sá Pereira
consultoria artística: Madalena Alfaia
direção de produção: Joana Ventura
produção executiva: Mariana Lourenço


interpretação
Alexandre Tavares, André Cabral, David S. Costa, Hugo Fidalgo, João Nunes Monteiro, José Santos, Magnum Soares, Marco Olival, Marco Tavares, Nara Gonçalves, Tiago Ferreira,* Vicente Campos, Vicente de Freitas Melo
* em substituição de Rui Pedro Silva

figuração 
Afonso Monteiro, António Freitas, António Melica, Gustavo Silva, João Vargas e Pires, José Pedro Amorim, Luís Saraiva, Manuel Morais, Mateus Guedes, Santiago Silva


coprodução
Nome Próprio, CCB – Fábrica das Artes, Teatro Aveirense
apoio à residência
Centro Cultural Vila Flor
parcerias 
Centro de Educação e Desenvolvimento de Pina Manique - Casa Pia de Lisboa e Instituto Profissional do Terço.


A Nome Próprio tem o apoio da República Portuguesa – Ministério da Cultura / Direcção-Geral das Artes e é uma estrutura residente no Teatro Campo Alegre, no âmbito do programa Teatro em Campo Aberto.

estreia
27Jan2018 Centro Cultural de Belém (Lisboa)
dur. aprox. 1:20
M/12 anos

««

Conversa pós-espetáculo
31 jan

Língua Gestual Portuguesa
2 fev | dom | 16:00
Recomendamos que confirme toda a informação junto do promotor oficial deste evento. Por favor contacte-nos se detectar que existe alguma informação incorrecta.
Download App iOS
Viral Agenda App
Download App Android