Os eventos publicados estão sujeitos a adiamento ou cancelamento devido ao surto de Coronavírus. Recomendamos que confirmem junto dos promotores se estes vão ocorrer.
15:00 até às 17:30
Building 101 : Argila

Building 101 : Argila

Grátis
Building 101 : ARGILA
"os 100 anos da Bauhaus celebram-se nas oficinas"

Data: 26 OUT 2019, 15h00
Local: Ar.Co (Almada)
»»»» Transporte disponível a partir do Campo de Santa Clara, 142 (em frente à sede da Trienal de Lisboa) ««««
A partida terá lugar às 14:30. 
O regresso a Lisboa está previsto para as 18:30. 
Recomendamos a presença no local de partida 15 minutos antes da hora marcada.

Entrada livre, mediante inscrição prévia.
Lotação máx. de 30 pessoas por sessão.

Inscrições em www.building101.pt 
ou através do e-mail building101.tal@gmail.com

Convidados: 
• Francisco Adão da Fonseca, arquitecto e co-fundador SKREI
• Maria Ana Vasco Costa, arquitecta e artista plástica
• Miguel Ferreira Mendes, arquitecto e investigador
• Virginia Fróis, escultora e docente

Moderadora:
• Sara Neves, arquitecta 

> O debate decorrerá em Português. 
> Programa sujeito a alteração, sem aviso prévio.

A argila é uma matéria-prima universal. Composta por finos grãos de diferentes minerais, matéria orgânica e água, destaca-se pela sua plasticidade: quando seca transforma-se numa matéria firme, quando cozida, ganha propriedades cerâmicas.
Conhecem-se mais de 40 técnicas de construção com argila, e estima-se que cerca de metade da população mundial vive em edifícios de argila, ainda que, a partir do século XIX, o cimento tenha ocupado o lugar de destaque na indústria da construção.

No entanto, perante os desafios ambientais actuais, o interesse pela utilização dos materiais naturais na construção, nomeadamente a argila crua, foi reavivado. A argila está acessível em qualquer lado, tem um baixo consumo de energia associado à sua transformação e transporte, a sua extracção é pouco invasiva e é facilmente reciclada. Ademais, tem uma grande eficiência térmica e é naturalmente adaptável a diferentes tipologias e formas.

O investimento da comunidade académica, artística e industrial no desenvolvimento de produtos em argila crua tem sido notável: as iniciativas dividem-se entre a re-interpretação de técnicas artesanais ancestrais e o desenvolvimento de novos materiais e tecnologias de produção. Mas, conhecem-se também as dificuldades e resistência na implementação destas iniciativas. Será a falta de regulamentação aplicável o maior entrave à produção com argila crua, nos países ocidentais?

Serão as limitações da própria matéria-prima - como a sensibilidade à acção da água e a fraca resistência sísmica - uma questão ultrapassável, através da investigação tecnológica em curso? Serão as soluções mistas, como o reforço estrutural ou a introdução estabilizantes químicos, uma possibilidade? Ou deverá preservar-se o carácter vernacular deste tipo de intervenções e considerar que, por exemplo em Portugal, a construção com argila crua não é autóctone e adequada ao clima e topografia de todas as regiões? Poderão as recentes iniciativas garantir os padrões de conforto e segurança do ocidente contemporâneo?

Considerando a contemporaneidade e vantagens práticas da argila, será possível resumir a problemática da sua utilização, e aceitação por parte da comunidade produtora e consumidora (ou seja, todos nós) - no campo da arquitectura, das artes e do design -, a um problema de percepção? Ou, tal como Martin Rauch sugere, será 'apenas' uma questão económica?

“Enquanto material que se encontra acessível em qualquer lugar, a terra nunca permitirá uma margem de lucro suficientemente elevada para originar uma mudança, através de novos serviços prestados pelas empresas de construção. No entanto, muitas universidades estão a manifestar interesse, decorrente de estudantes que participam em oficinas e adquirem entendimento e admiração por este material. No futuro, essas pessoas poderão propagar ainda mais o uso desse material no seu trabalho.” Estará nas universidades grande parte da responsabilidade de inclusão ou exclusão da argila no mercado de construção actual?

O programa Building 101 é um Projecto Associado à Trienal de Arquitectura de Lisboa 2019.

Equipa: Joana Varajão (Direcção Geral), Ariana Marques da Silva e Sara Neves (Direcção Adjunta), Inês Farinha (Design Gráfico | Web), Maria João Barcelos (Design Gráfico | Print)

Com o Apoio de: Modelstone - Mármores e Granitos; Hotel 1908 Lisboa; CP – Comboios de Portugal; Câmara Municipal de Cascais; Câmara Municipal de Sintra; Câmara Municipal de Almada; Câmara Municipal de Lisboa
Recomendamos que confirme toda a informação junto do promotor oficial deste evento. Por favor contacte-nos se detectar que existe alguma informação incorrecta.
Download App iOS
Viral Agenda App
Download App Android