Os eventos publicados estão sujeitos a adiamento ou cancelamento devido ao surto de Coronavírus. Recomendamos que confirmem junto dos promotores se estes vão ocorrer.
N/D
Ana Jacinto Nunes

Ana Jacinto Nunes

vários horários

A abertura da galeria é marcada pela inauguração da exposição individual de Ana Jacinto Nunes, intitulada “Ararat”, com curadoria de João Paulo Cotrim (Abysmo) e António Gonçalves. Esta primeira mostra apresenta uma série de cerca de vinte peças especialmente produzidas para esta exposição inaugural, que inclui trabalhos em técnicas distintas, quase todos em produção exclusiva para a exposição. Cerâmica, tela e seda são os diferentes suportes em que a artista se expressa para nos falar de um tempo remoto onde Bichos e Deuses foram personagens de um dilúvio.

“Ararat já foi vulcão, continua montanha. Na grande corrente subterrânea das tradições que procuram explicar-nos o mundo, fez-se cais para a Arca de Noé, navio primordial onde a criação se abriga da catástrofe global. A pintura, é sabido, resulta de um trabalho sobre os líquidos, começando pelo do olhar, atravessando o do gesto que limpa e prepara, continuando na aplicação dos final óleos que aproximam a tela da textura do mundo, para se encontrar nos olhos de quem se aproxime. Uma galeria chamada Cisterna tinha que começar investigando este caudal.

Ana Jacinto Nunes viu no feminino uma inquietação que desafia as leis naturais, que a aproxima da criação de um modo único: a bailarina vence a gravidade como o pássaro no azul. Descobriu ainda que os animais não são exactamente o espelho do humano, que possuem uma autonomia que nos interpela, que nos fala de liberdade. As suas composições revelam um convívio, uma intimidade sobre a qual assenta o mundo. E os olhares, os humanos como os outros, devolvem-nos sempre uma inocência magoada, o paradoxo de uma candura experimentada. A mulher abraça um ganso, outra aproveita a companhia do crocodilo para sentir a terra, um pavão oferece o pescoço para repouso das mãos. Tudo nascendo de gestos incontidos, sucessivos, a moldar. E os rostos podem ser bancos, pedaços de colunas de um edifício algures, havido ou por haver. Um dos seus rumos mais interessantes está na contaminação das matérias, na relação entra a cerâmica, o desenho e a pintura. Em todas se encontra uma tridimensionalidade feita de texturas, de cores, pois só assim se capta o instante em que acontece a criação. Contra o tempo, apesar da paisagem.”

João Paulo Cotrim


Fonte: https://agendalx.pt/events/event/ana-jacinto-nunes-2/
Recomendamos que confirme toda a informação junto do promotor oficial deste evento. Por favor contacte-nos se detectar que existe alguma informação incorrecta.
Download App iOS
Viral Agenda App
Download App Android