Os eventos publicados estão sujeitos a adiamento ou cancelamento devido ao surto de Coronavírus. Recomendamos que confirmem junto dos promotores se estes vão ocorrer.
21:30 até às 23:30
Noite de Ópera

Noite de Ópera

5€
O Coro de Santa Cecília de Vila do Conde vai apresentar no próximo dia 17 de Novembro de 2016, pelas 21:30h, no Auditório Municipal de Vila do Conde um Concerto intitulado “Noite de Ópera”.

Assim, o Coro de Santa Cecília, que festeja este ano o seu 5.º aniversário, associa-se e integra também o programa da celebração dos 25 anos do Auditório Municipal, contribuindo para esta comemoração com a realização de um espectáculo musical que privilegiará o canto operático.

Para além de obras corais a serem interpretadas pelo Coro de Santa Cecília, o evento será também enriquecido pela apresentação de dois solos e um dueto a serem interpretados pelo barítono Luiz Filipe Marques e pela soprano Mónica Pais, contando com a participação da pianista Nataliya Harasymenko.
  
Haverá também lugar para a participação da Escola de Dança do Centro Municipal de Juventude que irá dramatizar a obra de Giuseppe Verdi – “Ondine e Silfidi”  (MACBETH), interpretada pelo Coro de Santa Cecília, que originalmente prevê um número de bailado. Do mesmo modo terá oportunidade de apresentar uma outra peça coreográfica intitulada " De Humano ", baseada num excerto de uma obra de Valter Hugo Mãe.

Programa 
Parte I
Gioacchino Rossini – “Abertura” (O BARBEIRO DE SEVILHA)
Reveriano Soutullo e Juan Vert – “Ronda de los enamorados” (LA DEL SOTO DEL PARRAL)
Gaetano Donizetti – “Per te d’immenso giubilo” (LUCIA DE LAMMERMOOR)
Vincenzo Bellini – “Norma vienne” (NORMA)
Giuseppe Verdi – “Va pensiero” (NABUCCO)
Giuseppe Verdi – “Ondine e Silfidi” Coro e Bailado* das feiticeiras (MACBETH)
*Coreografia concebida por Adelaide Laranja para alunas da Escola de Dança do Centro Municipal de Juventude.
Jacques Offenbach – “Barcarola” (OS CONTOS DE HOFFMANN)
Georges Bizet – “Ária do Toreador” (CARMEN) 

Parte II 
"DE HUMANO" 
Coreografia de Teresa Santos para alunas da Escola de Dança do Centro Municipal de Juventude, baseada em excerto de uma obra de Valter Hugo Mãe:
"A humanidade começa nos que te rodeiam, e não exatamente em ti. Ser-se pessoa implica a tua mãe, as nossas pessoas, um desconhecido ou a sua expectativa. Sem ninguém no presente nem no futuro, o indivíduo pensa tão sem razão quanto pensam os peixes. Dura pelo engenho que tiver e perece como um atributo indiferenciado do planeta. Perece como uma coisa qualquer."

Parte III
Giacomo Puccini – “Coro em bocca chiusa” (MADAMA BUTTERFLY)
Giacomo Puccini – “Non ti scordar di me” (LE VILLI)
Umberto Giordano – “O Pastorelle Addio” (ANDREA CHENIER)
Franz Lehár – “Lippen Schweigen” (A VIÚVA ALEGRE)
Pietro Mascagni – “Hino do Sol” (IRIS)

Biografias
Coro de Santa Cecília de Vila do Conde
“A Música é celeste, de natureza tão divina e de tal beleza que encanta a alma e a eleva acima da sua condição.” (Aristóteles)

O Coro de Santa Cecília de Vila do Conde é um coro composto por amantes da música com sede na cidade de Vila do Conde e é dirigido desde a sua fundação pelo maestro Luiz Filipe Marques.
A actividade deste grupo coral alimenta-se de um reportório a capella de todas as épocas, mas não deixa de abordar o acervo musical polifónico em todas as suas diversas manifestações.
A sua versatilidade é sublinhada pela disponibilidade com que tem vindo a responder a diversas solicitações, salientando-se a sua colaboração com o “Circular – Festival de Artes Performativas” em projectos como “A Corte d’Urubu” da autoria dos Calhau! e SILVO – UMBRA de Jonathan Uliel Saldanha, com a Câmara Municipal de Vila do Conde no maior espectáculo de rua de Portugal “Vila do Conde – Um porto para o mundo”, e ainda a sua apresentação em concertos promovidos pela Direcção Regional de Cultura do Norte, respondendo à dinamização cultural no património que lhe está afecto, ou em resposta a convites provenientes de Ávila – Espanha, com o fito de contribuir para a solenidade de sessões do mais variado tipo, sem esquecer a sua apresentação em diversas salas de espectáculo, como o Teatro Municipal de Vila do Conde.
O seu âmbito comporta um vasto leque de estilos tão variados e distantes, de Palestrina a Lauridssen, passando por Perosi, Bellini, Verdi ou Bartolucci, no entanto a música portuguesa ocupa, por princípio, lugar de relevo nos seus programas, com a interpretação da obra de Fernando Lopes-Graça, David Oliveira ou Ruy Coelho.
Fruto do seu esforço e dedicação, o mérito do Coro de Santa Cecília de Vila do Conde é objecto de reconhecimento por várias instituições.
Actualmente é constituído pelos seguintes elementos:
Sopranos - Adelina Almeida, Andreia Azevedo, Celina Maia, Fátima Freitas, Fátima Pinto, Isabel Araújo, Lina Quinteira, Margarida Fraga, Manuela Cruz, Maria José Lima, Rosa Fernandes, Teresa Lobo, Virgínia Barreto.
Contraltos – Aida Paiva, Aida Palma, Dulce Fernandes, Eduarda Monteiro, Elisa Magalhães, Fátima Carvalho Fátima Reis, Isaura Miranda, Justa Sousa, Laurinda Costa, Lúcia Magalhães, Secundina Pires, Sónia Real, Teresa Matos. 
Tenores - António Lima, Carlos Rodrigues, Jorge Lobo, Júlio Maia, Manuel Gomes, Manuel Oliveira, Rúben Fernandes.
Baixos – António Tavares, Filipe Reis Teixeira, Hélder Gonçalves, Jorge Pinheiro, Manuel Vilas-Boas, Mauro Ferreira, Nuno Rodrigues. 

Luiz Filipe Marques
L
uiz Filipe Marques nasceu na Póvoa de Varzim e iniciou aos 5 anos a sua aprendizagem musical no seio de uma família melómana.
Concluiu a Licenciatura em História na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e aí cantou como solista no Coral de Letras da Universidade do Porto sob a direcção artística do maestro José Luís Borges Coelho.
Frequentou as classes de canto da professora Fernanda Correia, enquanto aluno do Curso Superior de Canto da Escola de Música do Porto e continuou a trabalhar com a mesma pedagoga no Conservatório Superior de Música de Gaia, onde concluiu o Curso Superior de Canto Teatral com a classificação máxima.
Frequentou inúmeras masterclasses com António Salgado, Hilde Zadeck, Gundula Zanowitz, Charles Spencer, Laura Sarti, Norma Silvestre, Elizabeth Matos, Enza Ferrari e Montserrat Caballé (Saragoça – 2007).
No domínio operático interpretou o papel de Papageno (Die Zauberflöte – W. A. Mozart), Conde de Almaviva (Le Nozze di Figaro – W. A. Mozart), Imperador (Le Roussignol – I. Stravinsky), Dottore (La Traviata – G. Verdi), Dr. Malatesta (Don Pasquale - G. Donizetti) e Sweep (The Little Sweep - B. Britten).
Participou em diversas oratórias: Cantata Ich Habe Genug – J.S.Bach, Missa da Coroação e Requiem - W.A. Mozart, Missa das Catedrais - C. Gounod, Missa Solene - A. Dvorak, Requiem - G. Fauré.
Tem vindo a apresentar-se sob a direcção de maestros como Rui Massena, Ferreira dos Santos, Mário Mateus, Filipe Veríssimo, Ferreira Lobo, Armando Vidal, António Queirós, Mário Claro, Manuel Ivo Cruz, Miguel del Castillo e Colin Davis.
Integrou o Coro de solistas da Casa da Música.
Lecciona as classes de canto na Escola de Música da Associação Musical de Pedroso. 
É membro fundador, maestro e director musical do Coro de Santa Cecília de Vila do Conde.

Mónica Lacerda Pais
Natural do Porto, termina o curso complementar em Piano e Canto no conservatório da Cidade Invicta, tendo em seguida realizado a licenciatura em Canto na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto (ESMAE) e o mestrado em ensino de Música pela Universidade de Aveiro.
Dos vários cursos de aperfeiçoamento que frequentou destaca: Jill Feldman, Ileana Cotrubas, Laura Sarti, Gundula Ianowitz, Jorge Vaz de Carvalho, Francisco Lázaro, Ambra Vespasiani, Ettore Nova e Daniel Munoz e Elisabete Matos.
No domínio Concertista interpretou: Stabat Mater de Pergolesi; Glória de Vivaldi; Ode a St. Cecília e Messias de Haendel, Mein Herz Swimmt im Blut e Magnificat de Bach, O Qui Coeli Terraeque Serenitas e In Furore Iustissimae Irae de Vivaldi; Nona sinfonia e Fantasia Coral de Beethoven; Missa da Coroação, Vesperae Solennes de Confessore e Requiem de Mozart, Requiem de Fauré, Stabat Mater de Dvorák, Valsas de Amor de Brahms, La court Paille de Poulenc, Seis Canções Castelhanas de Guridi; entre outros. Interpretou em estreia mundial "Seis canções Natalícias" pela batuta do maestro e compositor Álvaro Cassuto e a obra Plural de Fernando Lapa.
No campo da Ópera apresentou-se como: Dido em "Dido e Eneias", Mónica em "The Medium" de Menotti, Miss Bagott em "The Little Sweep" de Britten, Bruxa de “Hansel und Gretel” de Humpferdink,  sob a direcção do maestro José Lourenço e a orquestra Filarmonia das Beiras. Mãe em “Aladino” de Nino Rota, Condessa de Almaviva em "As Bodas de Fígaro" de Mozart, Clotilde em "Norma" de Bellini, Barbarina em "Bodas de Fígaro", D.Elvira de "D.Giovanni" de Mozart, Gianetta em "O Elixir do Amor" de Donizetti, Fenena em "Nabucco" de Verdi e Floria Tosca em "Tosca" de Puccini.
Como solista foi dirigida pelos maestros: Álvaro Cassuto, Cesário Costa, Paulo Silva, Gaetano Soliman, Gunther Arglebe, José Ferreira Lobo, Julian Reynolds, Marc Tardue e António Lourenço.
Interpretou em 2005 na Casa da Música no Porto a obra Sinfónica "Poéme de l´amour et de la mér" de Ernest Chausson, com a ONP, sob a direcção do maestro Marc Tardue.
Em 2006, em Itália, fez a sua primeira internacionalização cantando árias como Casta Diva da "Norma" de Bellini, Avé Maria de "Otello", Vissi d'arte da "Tosca" e D. Elvira de "D. Giovanni", com a orquestra de Leopoli sob a direcção do maestro Alan Chircop.
Colabora com a RTP 2 no programa de António Cartaxo, “Grandes Músicas” recriando “Uma noite Schubertiana”. 
No festival de música de Alcobaça, sob a batuta de Cesário Costa e a Orquestra do Algarve interpreta o papel de Susana, da opereta “Susana” de Alfredo Keil, ópera que esteve desaparecida durante mais de 100 anos. Foi registada ao vivo pela RDP.
Faz igualmente a estreia mundial da obra de Carlos Marecos, “Inês”, no festival de Música de Alcobaça, sob a direcção de Cesário Costa 
É a maestrina do Coral Didáxis desde a sua fundação (10 anos). Tem com eles um projecto “lírico portátil”, onde colabora com o Vissi d`arte, coros convidados e os pianistas João Queirós e Carla Quelhas.
É fundadora do Ensemble Vissi d`Arte, constituído por Mónica Pais, Francisco Reis e o pianista João Queirós, sendo igualmente responsável pela produção dos seus espectáculos. 
É membro fundador e soprano nos grupos de música de Câmara - Vissi d`Arte e Ensemble GayaQuintet e ainda no ensemble de interpretação de poesia e música portuguesa Trio Andante.
É produtora e organizadora dos Masters de canto Lírico - Elisabete Matos, na cidade do Porto.
É professora de Canto na escola profissional Balletteatro do Porto.

Nataliya Harasymenko
Nasceu na Rússia, onde iniciou ou seus estudos musicais aos sete anos na Escola Especial de Música no curso de piano.
Concluiu os seus estudos e licenciatura nas cidades de Rostov e em Odessa, na faculdade de Musicologia. 
Como professora, deu aulas de piano e de musicologia na Faculdade de Musicologia da cidade de Kirovograd. 
Apresentou-se em várias cidades portuguesas como solista e pianista acompanhadora. 
Actualmente é professora na Academia de Música de Barcelos e no Colégio Didalvi, Barcelos.

Escola de Dança do Centro Municipal de Juventude
Visando a formação vocacional de alunos de todas as idades, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, desde 1995, um espaço no âmbito da dança contemporânea através da Escola de Dança.

O ensino da dança nesta Escola visa a interiorização de novas linguagens e a descoberta de diferentes formas de expressão, incentivando e desenvolvendo um processo de aprendizagem assente na análise, pesquisa e criatividade, inerente a qualquer área artística. 

Constituem objetivos principais deste projeto:
>	Mostrar e provar que a dança pode ser para todos, considerando que cada indivíduo tem, desde que reúna vontade e dedicação, mil e uma possibilidades de crescer seja em que área for. Neste sentido foram criados cursos com objetivos diferentes de formação, um mais completo denominado de curricular e outro mais descomprometido intitulado de livre. 
>	Ensinar e trabalhar a dança enquanto linguagem e objeto artístico, não a reduzindo a uma vertente lúdica e/ou a aspetos físicos técnicos. Além da aprendizagem de diversas técnicas de dança, os cursos assentam num conjunto de conteúdos diversos com vista a uma formação global do aluno.
>	Privilegiar a individualidade do aluno, ajudando-o a adquirir maior autonomia, identidade própria e incentivando-o no desenvolvimento das suas capacidades criadoras e comunicativas.

Alunas participantes
Ana João Pontes, Áurea Laranja, Beatriz Sá, Isabel Domingues, Leonor Santos, Margarida Pinheiro, Marta Pereira, Nara Gonçalves, Rafaela Bessa.
Recomendamos que confirme toda a informação junto do promotor oficial deste evento. Por favor contacte-nos se detectar que existe alguma informação incorrecta.
Download App iOS
Viral Agenda App
Download App Android